Etiqueta em velórios e funerais

etiqueta-velorio-768x384.jpg

São tantas as adversidades da vida que nem sempre sabemos como lidar. Uma das mais comuns é saber como se portar em um enterro sem que cometa gafe. Há pessoas que desistem de ir a funerais por esse motivo. Por outro lado, faltar nesse momento tão doloroso pode mostrar falta de sensibilidade. Saiba os principais pontos para que sua presença no velório seja sem vexames de acordo com a etiqueta para enterros.

Por que comparecer ao enterro?

Você deve ponderar algumas convenções sociais que podem auxiliar quais atitudes adotar ou evitar. A princípio você se foi convidado a um enterro é porque sua presença é importante ou ao menos desejam seu apoio naquele momento tão amargo. Busca-se consolação e nem sempre se sabe como expressar isso, então aí surge o convite, mesmo que não seja para pessoas tão próximas. Se não conseguir ir ao velório, veja a possibilidade de ao menos visitar pessoalmente a família nos dias próximos e/ou ir à missa de 7º dia (se houver). Ligue antes para saber se pode aparecer. Por mais difícil que seja para você, compareça. Com certeza não é mais difícil do que quem está entrando de luto naquele momento. Você será lembrado (a) como uma pessoa que se importou. Representou consideração e carinho.

Prepare-se para ir ao funeral sem passar vergonha

Para saber como se comportar no sepultamento siga alguns passos: Verifique qual é a cultura daquela família. Isso é importante para se preparar contra fiascos. Por exemplo, encomendar flores significa nova vida e celebração para os judeus e mulçumanos, retratando incoerência. Quando para os católicos é um gesto gentil. Os evangélicos se concentram mais em apoiar familiares e amigos, do que apenas velar o corpo. Para a cultura mexicana, a morte de um ente querido representa dias de festividades e alegria. Já para quem está acostumado a comparecer em velórios católicos com duração de um período (manhã ou tarde) e cada um voltar pra sua casa, pode estranhar o velório de islâmicos que tem duração de pelo menos três dias. Se ainda tiver dúvidas, sempre pergunte antes a alguém menos envolvido com a perda.

Etiqueta dos velórios: Qual roupa vestir para velórios e enterros?

As questões anteriores também balizarão a vestimenta que você usará no dia: se com cores alegres ou se escuras. Precisa ser só preto? Não precisa. Para não errar, evite apenas acessórios extravagantes, roupas insinuantes/sensuais, sapatos que fazem barulho ao caminhar. Mulheres apostem em maquiagem discreta e trajes sóbrios. Já os homens devem se compor nas mesmas indicações desviando-se de bermudas e camisetas. Se for de chapéu ou boné, é recomendável no momento do sepultamento retire-o da cabeça em sinal de respeito. Há casos em que o convite solicita traje com mais formalidade. Verifique.

Como se comportar em velórios

Se o local para o velório for dentro de cemitério em que ocorrem vários ao mesmo tempo, busque a placa identificando de quem é aquela cerimônia para confirmar que está no local certo. Não é possível conhecer todos os parentes e amigos. Caso não haja placa, seja discreto ao perguntar alguém. Dessa forma, convém sempre chegar com antecedência.

Tendo a certeza que está no local certo, assine o livro de presença e desligue o celular (tire as notificações das mídias sociais também). Espalhe condolências aos familiares e amigos verbalmente. Procure falar pouco e com frases sinceras. Só ofereça aquele apoio “caso precisem de auxílio em qualquer questão” se estiver realmente disposto a ajudar caso seja procurado, ou você pode ficar marcado (a) como pessoa que só fala da boca para fora. Não é seu forte desejar pêsames com as palavras? Utilize o consolo não verbal: por meio de abraços, mãos nos ombros/mãos, encosto a quem estiver com dificuldades para caminhar e até enxugue as lágrimas, claro, se houver abertura para tal.

Você não é obrigado a olhar o defunto dentro do caixão, mas geralmente é de bom tom ficar uns segundos frente a ele, de olhos fechados (se preferir), em sinal de respeito. Caso esse seja seu caso, observe se há fila para homenagear/orar em volta da urna funerária, o mesmo propósito para cumprimentar os parentes envolvidos.

Chorar em enterro de pessoas pouco íntimas

Naquele momento das orações religiosas as quais você não faça parte e canções que não reconheça, não tem segredo: abaixe a cabeça, fique em silencio de olhos fechados, como que se refletisse. Se o momento te envolveu a ponto de chorar, não impeça. Mesmo se você não conhece bem o falecido, saiba que é normal se comover. Essa é uma situação realmente dolorosa que trás à tona muitos sentimentos e lembranças comuns a todos os seres humanos. Caso perceba que se descontrolou, procure não chamar atenção para si, retire-se do ambiente para que se recupere. A família que precisa de cuidados, não seja mais um a dar trabalho.

Regra de ouro para se comportar em velório: silêncio

Se mesmo assim você não souber como se comportar no funeral, a regra básica é manter silêncio. Logo, exclua todas as probabilidades de retirá-lo desse tipo de estado: brincadeiras e risadas, conversar com pessoas que não vê há muito tempo, ficar ao celular conferindo as redes sociais (isso é absolutamente abominável, caso seja urgente ausente-se da cerimônia), não tire fotos nem faça filmagens sem ser solicitado, isso pode soar ofensivo. Não puxe assunto sobre amenidades, não fique reparando na roupa e no jeito das pessoas, muito menos comentando sobre a aparência do morto. Essas são atitudes totalmente inapropriadas. Apesar de ser considerado um evento social, no Brasil o velório/cortejo se contribui por meio do silêncio e da discrição em nossa cultura. São as melhores formas de respeitar a memória do falecido e a tristeza daqueles que ficam.

Outra regra de ouro é copiar o comportamento dos amigos e familiares presentes, especialmente em momentos de cerimônia religiosa. Se eles se sentam e levantam em determinadas ocasiões, repita. Se colocarem as mãos no peito, faça também. Contudo não precisa cantar se não sabe a letra e sair beijando a pessoa que morreu na testa. Respeite seu limite. Por fim, se você não faz parte do círculo de convivência imediato, procure se posicionar mais distante do caixão, para que os mais íntimos tenham o último contato de perto.

O momento da despedida de entes queridos é um dos mais marcantes na existência humana, mas se você teve o privilégio de nunca ter passado por essa experiência, faça o exercício: tente se colocar no lugar e pensar como você gostaria que te tratassem quando acontecer esse tipo de tragédia na sua vida? Logo, a empatia é a melhor forma de evitar constrangimentos em velórios e cerimônias fúnebres.